A VINHA, A FIGUEIRA E A OLIVEIRA

INTRODUÇÃO

“Prezado irmão Onir,

A Paz do Senhor!

Prezado irmão, venho novamente ocupar este espaço concedido em seu Site para tratarmos de um assunto  em relação aos Pregadores do Evangelho.

Para ficar bem claro e bem esclarecido jamais fui contra um Ministério custear as despesas e dar uma oferta a quem convida para Pregar ou Cantar, mas tudo com critério. Pregador cobrando valores absurdos para Pregar, isso sempre serei contra, uma vez que o Evangelho não foi feito para enriquecimento e sim para angariar pecadores!

Paulo deixou bem claro:

“Assim ordenou também o Senhor aos que anunciam o evangelho, que vivam do evangelho” (1 Coríntios.9.14).

Sabemos que “viver” e bem diferente do que “enriquecer”.

Diante do Exposto, solicito com muita gentileza do amado obreiro, um parecer Teológico da questão em epígrafe. Sua participação é muito importante neste Processo, uma vez que seus Estudos têm solucionado grandes dúvidas para muitos Irmãos aqui na nossa Congregação. Louvado seja o nome do Senhor!

Agradeço pela atenção recebida deste e-mail!

Um forte abraço.

Att,

Davi dy Camargo”

Diante da solicitação postada pelo Leitor do Site, resolvi debruçar-me sobre o Assunto, na esperança de poder  responder  no que diz respeito àqueles que se dedicam a fazer a Obra do Reino de Deus;

CHAMADO PARA FAZER A OBRA

Jesus,  através de uma  Parábola, deixou evidente que a Obra do Reino de Deus  exige um “CHAMADO”, conforme referência a seguir:

OBEDIÊNCIA PLENA E O MINISTÉRIO DOS CINCO TALENTOS

A Parábola dos TALENTOS em Mateus 25: 14 a 30, Jesus usou o dinheiro como forma extensiva e enigmática de mostrar o valor e a responsabilidade dos portadores de Dons – Talentos – Ministeriais;

Jesus usou o dinheiro – como símbolo de valor –  para caracterizar, principalmente, os Dons Ministeriais, logo, quem recebe um Ministério – ‘Chamado” – com 5 (cinco) Dons , fica na responsabilidade de multiplicar o Ministério, como foi o caso de quem recebeu 5 (cinco) Talentos e dobrou, bem como, o que recebeu 2 (dois) Talentos e também dobrou, mas o que recebeu 1 (um) e não fez nada perdeu até o que havia recebido;

Um Chamado Ministerial exige muita dedicação, alicerçada na Fé, Oração e Jejum.

A Parábola dos Talentos em Mateus 25: 14 a 30, enigmaticamente,  tem o significado individual do “Chamado” Ministerial para a Obra de Deus;

O destaque de um Ministério está na Unção e capacidade de desenvolver DONS usando os instrumentos da FÉ, ORAÇÃO e JEJUM, acompanhados de conhecimento, entendimento  e discernimento,  bem como, os meios disponíveis de Contato e Comunicação.

Vejamos o que diz a Parábola dos Talentos em Mateus 25: 14 a 30:

Mateus

25.14   Pois será como um homem que, ausentando-se do país, chamou os seus servos e lhes confiou os seus bens.

Preste atenção = chamou

Preste mais atenção ainda = seus servos – pessoas envolvidas na Obra do Reino de Deus.

25.15   A um deu cinco talentos, a outro, dois e a outro, um, a cada um segundo a sua própria capacidade; e, então, partiu.

25.16   O que recebera cinco talentos saiu imediatamente a negociar com eles e ganhou outros cinco.

25.17   Do mesmo modo, o que recebera dois ganhou outros dois.

25.18   Mas o que recebera um, saindo, abriu uma cova e escondeu o dinheiro do seu senhor.

Os SERVOS foram “chamados” caracterizando individualmente pessoas escolhidas:

A um foi dado 5 (cinco) Talentos = 5 dons Ministeriais

A outro foi dado 2 (dois) Talentos = 2 dons Ministeriais

A outro foi dado 1 (um) Talento = 1 dom Ministerial

Estes Talentos – DONS MINISTERIAIS – são caracterizados por:

1º – Ensino e Pregação da Palavra

– Louvor e Adoração

– Libertação de Demônios

– Cura de Doenças

– Prosperidade

Dos 5 (cinco)  Talentos – Dons – o mais discutido e controvertido é o da Prosperidade. A Prosperidade é uma Bênção de Deus, porém, por conseqüências, e não por força e violência.

O Dom da Prosperidade está relacionado com a afirmação de Salmos 37: 25 :

37: 25 =  “Fui moço, e já, agora, sou velho, porém jamais vi o justo desamparado, nem a sua descendência a mendigar o pão”.

Este é o princípio básico que norteia a vida próspera na saúde, nas finanças e no Ministério;

A Prosperidade  para quem se esforça é uma realidade. A realidade é ser um bom e sistemático Obreiro  e/ou  cooperador na Obra de Deus, conforme Mateus 6: 33;

6: 33 = “ Buscai, pois, em primeiro lugar, o Reino de Deus e a sua justiça, e todas as demais coisas vos serão acrescentadas”.

O Dom da Prosperidade não é um instrumento de riqueza, mas sim, de abundância, de progresso material e espiritual;

Do exposto podemos  entender  que aquele que recebeu 1 (um) Talento – um Dom Ministerial – trata-se do Ministério do Ensino e Pregação da Palavra. Um Dom bastante comum e o maior em número de pessoas que os possuem entre os cinco;

Atenção: Na medida do conhecimento  e  entendimento necessário é sair em Campo e ganhar outros para o Reino de Deus – Cristo;

O que recebeu 2 (dois) Talentos – dois Dons Ministeriais – trata-se da pessoa que possui o Ministério do Ensino e Pregação da Palavra acompanhada de um dos quatro outros Dons; Não esquecer que se trata de Ministério, e, Ministério sem o Dom do Ensino e  Pregação da Palavra de Deus, não é Ministério; Para Ensinar somente conhecendo, entendendo e discernindo.

O que recebeu 5 (cinco) Talentos – cinco Dons Ministeriais – trata-se da pessoa que possui o Ministério do Ensino e Pregação da Palavra acompanhada dos Dons de Louvor e Adoração, Libertação de Demônios, Cura de Doenças e Prosperidade;

A Parábola dos Talentos de Mateus 25: 14 a 30 tem o sentido enigmático referente a Ministério na Obra de Deus, por  “Chamado”, não confundir com os “Dons” Espirituais de 1ª Coríntios 12: 1 a 11;

Mateus 25: 14 = “Pois será como um homem que, ausentando-se do seu país, chamou os seus servos e lhes confiou os seus bens”

“chamou” = chamada Ministerial específica.

“os seus servos” = Pessoas escolhidas conforme comprometimento na Obra de Deus, e, que sentem, misteriosamente, o “Chamado”.

“e lhes confiou os seus bens” = Que bens? – Obediência Plena à Palavra de Deus, o maior Tesouro existente na Terra.

– Os Dons Espirituais ( 1ª Coríntios 12: 1 a 11 ) se desenvolvem na medida do comprometimento com a Obra de Deus, pelos Membros de Ministério, através do Processo da Santificação, pelo Espírito Santo. Precisa ficar claro que os Dons Espirituais representam um mistério que estão além do entendimento natural humano;

Sobre Processo da Santificação ver o Artigo “A SALVAÇÃO E A VIDA ETERNA”, no Site.

Quando observamos o desempenho dos diferentes Ministérios em atividade na Obra de Deus, independentemente de Denominação Religiosa ou Igreja, podemos ver em destaque 1 (um) ou mais Talentos – Dons Ministeriais;

Ultimamente, em face das condições de comunicação Escrita, Rádio, Televisão e Internet, podemos observar e distinguir os Ministérios que se destacam pelos Dons Ministeriais;

A  VINHA  E  A  FIGUEIRA

Neste  ARTIGO  o objetivo é tratar do Assunto que  mais tem gerado polêmica sobre o sustento em relação a  remuneração financeira e patrimonial de quem se dedica a fazer a Obra do Reino de Deus;

Preste atenção nessa Parábola proferida por Jesus em  Lucas 13: 6:

Lucas

13.6   Então, Jesus proferiu a seguinte parábola: Certo homem tinha uma figueira plantada na sua vinha e, vindo procurar fruto nela, não achou.

VINHA = Expressão metafórica  e enigmática proferida por Jesus  relacionado com a Obra do Reino de Deus aqui na Terra; A  FIGUEIRA  era e continua sendo,  Israel;

Preste atenção no relacionamento Enigmático e metafórico que Jesus estabeleceu entre a VINHA  e a FIGUEIRA;

VINHA = Reino dos Céus aqui na Terra;

Ver o Artigo “O Enigma do Reino”, no Site.

FIGUEIRA = Israel como Nação escolhida e plantada no Reino dos Céus aqui na Terra;

Continue prestando atenção:

Deuteronômio

20.6   Qual o homem que plantou uma vinha e ainda não a desfrutou? Vá, torne-se para casa, para que não morra na peleja, e outrem a desfrute.

Qual o homem que plantou um  vinha ? = aquele que é “Chamado”  para o Ministério;

E ainda não a desfrutou ?= expressão literal de direito sobre a Vinha;

Preste atenção na contextualização  Enigmática e  metafórica em relação ao Reino dos Céus  e a VINHA.

Vá, torne-se para casa = que casa? – expressão enigmática de tomada de consciência em relação  à grande responsabilidade da Vinha plantada – Obra do Reino dos Céus;

“para que não morra na peleja” = A Obra de Deus é uma Batalha Espiritual que requer cuidados e prioridades na continuação da Obra por sucessão  de próximos, quando for o caso, e   que não podem ser negligenciadas;

“e outrem a desfrute” = A Bíblia cita uma expressão enigmática  mostrando que quem Planta uma Vinha tem o direito de passá-la para os seus  próximos, DE TAL FORMA  que a Vinha não corra o perigo de cair em mãos sem  o devido “chamado”;

“PRÓXIMO” = Um filho, um sobrinho, um neto; Quem estiver mais bem preparado e experiente.

Continue prestando atenção:

1 Coríntios

9.7   Quem jamais vai à guerra à sua própria custa? Quem planta a vinha e não come do seu fruto? Ou quem apascenta um rebanho e não se alimenta do leite do rebanho?

Preste atenção na contextualização Enigmática e Metafórica em relação às expressões:

 “guerra”  – expressão metafórica simbolizando a Batalha Espiritual;

“vinha”  – expressão metafórica simbolizando o Reino de Deus aqui na Terra;

 “rebanho”  – expressão metafórica simbolizando profeticamente a Igreja de Cristo;

PARA REFLEXÃO

Davi  recebeu um “Chamado”  tendo consolidado  uma “Vinha”, que passou para seu filho Salomão,  que passou para seu filho Reoboão,  que não soube administrar a “Vinha”  e causou separação da  “Vinha” em duas partes…( 1º Livro de Reis ).

PARA REFLEXÃO

No Período de sucessão de uma Vinha, os Trabalhadores da Vinha deverão entrar em Oração, para que a Vontade de Deus  prevaleça, na escolha do Sucessor.

PENSE NISSO:

Numa Vinha, a Esposa como a Auxiliadora do Sacerdote, exerce fundamental importância para o êxito e prosperidade da Vinha.

A VINHA E O IDE

Uma Vinha não pode negligenciar a Ordem de Jesus no que diz respeito ao IDE = Missões.

Almeida Revista e Atualizada

Marcos

16.15   E disse-lhes: Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura.

A FIGUEIRA E A OLIVEIRA

Qual a diferença entre a FIGUEIRA  e a OLIVEIRA, como figura de linguagem metafórica?

A FIQUEIRA

A Figueira simboliza a Nação de Israel, conforme ampla contextualização no Artigo  “O ENIGMA DO SETENTA”,  no Site;

A Figueira simboliza a Nação de Israel  com frutos bons e frutos ruins, em  JEREMIAS 24: 1 a 10, bem como, sem fruto conforme a Parábola em  Lucas 13: 6 a 9;

Almeida Revista e Atualizada

Jeremias

24.1   Fez-me ver o SENHOR, e vi dois cestos de figos postos diante do templo do SENHOR, depois que Nabucodonosor, rei da Babilônia, levou em cativeiro a Jeconias, filho de Jeoaquim, rei de Judá, e os príncipes de Judá, e os artífices, e os ferreiros de Jerusalém e os trouxe à Babilônia.

 24.2   Tinha um cesto figos muito bons, como os figos temporãos; mas o outro, ruins, que, de ruins que eram, não se podiam comer.

24.3   Então, me perguntou o SENHOR: Que vês tu, Jeremias? Respondi: Figos; os figos muito bons e os muito ruins, que, de ruins que são, não se podem comer.

24.4   A mim me veio a palavra do SENHOR, dizendo:

24.5   Assim diz o SENHOR, o Deus de Israel: Do modo por que vejo estes bons figos, assim favorecerei os exilados de Judá, que eu enviei deste lugar para a terra dos caldeus.

24.6   Porei sobre eles favoravelmente os olhos e os farei voltar para esta terra; edificá-los-ei e não os destruirei, plantá-los-ei e não os arrancarei.

24.7   Dar-lhes-ei coração para que me conheçam que eu sou o SENHOR; eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus; porque se voltarão para mim de todo o seu coração.

 24.8   Como se rejeitam os figos ruins, que, de ruins que são, não se podem comer, assim tratarei a Zedequias, rei de Judá, diz o SENHOR, e a seus príncipes, e ao restante de Jerusalém, tanto aos que ficaram nesta terra como aos que habitam na terra do Egito.

 24.9   Eu os farei objeto de espanto, calamidade para todos os reinos da terra; opróbrio e provérbio, escárnio e maldição em todos os lugares para onde os arrojarei.

24.10   Enviarei contra eles a espada, a fome e a peste, até que se consumam de sobre a terra que  se consumam de sobre a terra que lhes dei, a eles e a seus pais.

Almeida Revista e Atualizada

Lucas

13.6   Então, Jesus proferiu a seguinte parábola: Certo homem tinha uma figueira plantada na sua vinha e, vindo procurar fruto nela, não achou.

13.7   Pelo que disse ao viticultor: Há três anos venho procurar fruto nesta figueira e não acho; podes cortá-la; para que está ela ainda ocupando inutilmente a terra?

13.8   Ele, porém, respondeu: Senhor, deixa-a ainda este ano, até que eu escave ao redor dela e lhe ponha estrume.

13.9   Se vier a dar fruto, bem está; se não, mandarás cortá-la.

A OLIVEIRA

A  Oliveira simboliza também a Nação de Israel, conforme ampla contextualização no Artigo “AS DUAS TESTEMUNHAS DE APOCALIPSE  11”, no Site;

A Oliveira que produz o Azeite  simboliza  enigmaticamente a Nação de Israel sob a ação do Espírito Santo – azeite , que enxertou a Igreja  de Cristo – Oliveira brava – na Oliveira Verdadeira, até que o Tempo dos Gentios se complete ( Lucas 21: 24 )( Romanos 11: 17 a 32 ).

Almeida Revista e Atualizada

Lucas

21.24   Cairão a fio de espada e serão levados cativos para todas as nações; e, até que os tempos dos gentios se completem, Jerusalém será pisada por eles.

Almeida Revista e Atualizada

Romanos

11.17   Se, porém, alguns dos ramos foram quebrados, e tu, sendo oliveira brava, foste enxertado em meio deles e te tornaste participante da raiz e da seiva da oliveira,

11.18   não te glories contra os ramos; porém, se te gloriares, sabe que não és tu que sustentas a raiz, mas a raiz, a ti.

11.19   Dirás, pois: Alguns ramos foram quebrados, para que eu fosse enxertado.

11.20   Bem! Pela sua incredulidade, foram quebrados; tu, porém, mediante a fé, estás firme. Não te ensoberbeças, mas teme.

11.21   Porque, se Deus não poupou os ramos naturais, também não te poupará.

11.22   Considerai, pois, a bondade e a severidade de Deus: para com os que caíram, severidade; mas, para contigo, a bondade de Deus, se nela permaneceres; doutra sorte, também tu serás cortado.

11.23   Eles também, se não permanecerem na incredulidade, serão enxertados; pois Deus é poderoso para os enxertar de novo.

11.24   Pois, se foste cortado da que, por natureza, era oliveira brava e, contra a natureza, enxertado em boa oliveira, quanto mais não serão enxertados na sua própria oliveira aqueles que são ramos naturais!

11.25   Porque não quero, irmãos, que ignoreis este mistério (para que não sejais presumidos em vós mesmos): que veio endurecimento em parte a Israel, até que haja entrado a plenitude dos gentios.

Para não ser repetitivo o Leitor deverá acessar os Artigos indicados e as referências.

RESPONDENDO A PERGUNTA DO LEITOR QUE MOTIVOU ESTE ARTIGO

Diante das explicações sobre Reino dos Céus, Israel, Igreja  de Cristo e Ministério, podemos entender o seguinte:

Os Levitas tinham direito específicos para o sustento como  Ministros e Sacerdotes ;

Quem Planta uma Vinha  – Obra de Deus – tem direito de desfrutar da Vinha para seu sustento e de seus dependentes;

Quem Planta uma Vinha – Igreja de Cristo – tem o direito de desfrutar  através do Rebanho  apascentado;

Quem Planta uma Vinha – Igreja de Cristo – tem o direito de  passar  a Vinha  para um membro  da Família quando preparado para manter a Vinha.

Quem  Planta uma Vinha – Igreja de Cristo – tem o direito de desfrutar das condições que a Vinha alcança no que diz  respeito a prosperidade da Vinha, proporcionando ao Sacerdote   os meios  de atuação e o conforto  que a Ciência  Tecnológica oferece à Sociedade;

Quem Planta uma Vinha não tem o direito de ficar Rico através da Vinha, devendo usar de Sabedoria quanto a esse Mister, para não escandalizar em prejuízo da Vinha;

Quem Planta uma Vinha não pode se deixar levar pela soberba e escandalizar a ponto de descaracterizar o Cristianismo;

SISTEMA DE GOVERNO

Neste Artigo estou tratando apenas de Sistema de Governo de Ministério Independente, com Estatuto próprio e autonomia de escolha democrática de Lideranças prevista em Estatuto;

CONCLUSÃO

Quando um Obreiro que vive exclusivamente do Ministério Sacerdotal e fica Rico está contrariando os ensinos de Jesus;

Entretanto não é pecado um Pregador  Itinerante  receber uma ajuda de custos para suas despesas em relação ao Evento da Igreja, mesmo que ele não viva do Evangelho, considerando suas condições financeiras;

Quando um Pregador ou Cantor(a) que vive exclusivamente da Obra de Deus  solicita uma ajuda de custos, para participar de Evento na Obra, também é perfeitamente compreensivo;

Prezado Leitor, entendo seus questionamentos, pois, não é novidade para ninguém que está havendo uma descaracterização quanto ao aspecto da Prosperidade, e muitos estão tirando proveito pessoal e acumulando Tesouro na Terra;

As Profecias sobre Obreiros Fraudulentos e Mercenários estão se cumprindo literalmente, e isso não é novidade para quem está acompanhando os acontecimentos Religiosos;

Precisa ficar entendido que é Bíblico uma Pessoa receber um Chamado e Plantar uma Vinha e viver dessa Vinha, bem como, passar essa Vinha para um Membro preparado de sua Família;

Considerando um Assunto que diz respeito à VIDA ETERNA,  as Palavras de Jesus sobre “àquele a quem muito foi dado, muito será exigido”,  deve ser motivo de profunda Reflexão;

CONCLUSÃO FINAL

A responsabilidade de quem  Planta uma Vinha está em estabelecê-la  e mantê-la dentro dos parâmetros do absolutamente certo;

Este Assunto tem gerado muita polêmica, em face do desconhecimento das referências bíblicas enigmáticas aqui citadas, ou mal interpretadas, quando não, por força de maus exemplos ou abusos na condução da Vinha, no meu entendimento;

Tenho plena consciência  que não esgotei o Assunto em detalhes, porém espero ter abordado o conteúdo;

Ultrapassar os Limites da normalidade  na Obra do Reino dos Céus, É trocar o Tesouro no Céu por um “prato de lentilhas”.

 

PENSE NISSO:

INDIFERENÇA E INGRATIDÃO

Sobre este Assunto acessar a Seção “O AUTOR”, no Site.

……………………………………………. X ……………………………………….

“Este Artigo é de inspiração posterior à Publicação do Livro anunciado”

Os Artigos do Site complementam assuntos do Livro.

Na hipótese de ser importante, SUGIRO A INDICAÇÃO  do Artigo e o SITE.

Próximos Assuntos a serem incluídos no Site, paulatinamente:

– O ENIGMA DO NOVO CÉU E NOVA TERRA

– O PROFÉTICO E ENIGMÁTICO PERÍODO EDÊNICO

– ETC

OBS: Na hipótese de concordar que o Assunto é importante, copie o endereço do Site www.assuntospolemicosdabiblia.com imprima o máximo numa folha A4, corte em pedaços, e distribua, como instrumento de fazer a Obra do REINO DE DEUS.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

One comment to A VINHA, A FIGUEIRA E A OLIVEIRA

  • Martins  disse:

    Muito bom este estudo!!! Esclarecedor…ai dos que ficam ricos em fazer a obra de Deus, viver da vinha realmente não significa enriquecer da vinha!!!

Comente

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>